mais sobre mim

Junho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Para mais informações

grupoapbarreiro@sapo.pt
Segunda-feira, 17 de Dezembro de 2007

Exposição Alusiva ao Centenário do Nascimento de Miguel Torga

   miguel torga
Damos destaque á exposição que se irá realizar entre 15 de Dezembro e 15 Janeiro, na Biblioteca Municipal do Barreiro. Uma exposição evocativa ao Centenário do Nascimento de Miguel Torga, pseudónimo de Adolfo Correia Rocha, nascido em São Martinho da Vila, Trás-os-Montes em 1907.
 
 “Sob o mote “Ode à Poesia”, trata-se de uma exposição bio-bibliográfica, constituída por 21 painéis com textos extraídos das obras do autor e que conta com os livros existentes na Biblioteca de um dos maiores escritores portugueses do século XX, o primeiro a quem foi atribuído o prémio Camões, no ano de 1989.”
Informação retirada de www.cm-barreiro.pt/
 
Não percam a oportunidade de passar pela biblioteca do Barreiro, no horário abaixo mencionado, e conhecer mais sobre este grande escritor.
 
Segunda-feira, das 14.00 às 17.45; de terça a sexta-feira, das 9.30 às 22.30; e sábado, das 9.30 às 12.30 e das 14.00 às 17.45 horas.
 
 
Ode à Poesia- Miguel Torga (1946)

Vou de comboio...
 
Vou
Mecanizado e duro como sou
Neste dia, 
E mesmo assim tu vens, tu me visitas!
Tu ranges nestes ferros e palpitas
Dentro de mim, Poesia!

Vão homens a meu lado distraídos
Da sua condição de almas penadas;
Vão outros à janela, diluídos
Nas paisagens passadas...
E porque hei-de ter eu nos meus sentidos
As tuas formas brancas e aladas?

Os campos, imprecisos, nos meus olhos,
Vão de braços abertos às montanhas;
O mar protesta contra não sei quê;
E eu, movido por ti, por tuas manhas,
A sonhar um painel que se não vê!

Porque me tocas? Porque me destinas
Este cilício vivo de cantar?
Porque hei-de eu padecer e ter matinas
Sem sequer acordar?

Porque há-de a tua voz chamar a estrela
Onde descansa e dorme a minha lira?
Que razão te dei eu
Para que a um gesto teu
A harmonia me fira?

Poeta sou e a ti me escravizei,
Incapaz de fugir ao meu destino.
Mas, se todo me dei,
Porque não há-de haver na tua lei
O lugar do menino
Que a fazer versos e a crescer fiquei?

Tanto me apetecia agora ser
Alguém que não cantasse nem sentisse!
Alguém que visse padecer,
E não visse...

Alguém que fosse pelo dia fora
Neutro como um rapaz
Que come e bebe a cada hora
Sem saber o que faz...

Alguém que não tivesse sentimentos,
Pressentimentos,
E coisas de escrever e de exprimir...
Alguém que se deitasse
No banco mais comprido que vagasse,
E pudesse dormir...

Mas eu sei que não posso.
Sei que sou todo vosso,
Ritmos, imagens, emoções!
Sei que serve quem ama,
E que eu jurei amor à minha dama,
À mágica senhora das paixões.

Musa bela, terrível e sagrada,
Imaculada Deusa do condão:
Aqui vou de longada;
Mas aqui estou, e aqui serás louvada,
Se aqui mesmo me obriga a tua mão!
sentimo-nos:
publicado por barreirocriativo às 23:33
link do post | comentar | favorito

pesquisar

 

posts recentes

Exposição Alusiva ao Cent...

arquivos

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

links

blogs SAPO

subscrever feeds